terça-feira, 17 de novembro de 2009

Dos ninhos voam poemas

Dos ninhos voam poemas
com asas de fada.
Nas nuvens nascem os rios,
concretos vazios,
que nos juncos das margens,
entoam cantigas do tudo e do nada.
Nos ventres se rasgam feitiços,
e se amam os céus de quem já não volta,
de quem se perdeu.
Nos teus seios nascem receios,
e dos meus medos os teus segredos.

A vida esconde-se nas cordas que vibram
do violino que toca,
na voz que me embala nesta rua vazia,
na porta fechada,
sem postigo, sem nada.

7 comentários:

Smurf disse...

Para variar... lindo! :)

Anna disse...

Atrás dessa secreta porta escondem-se sentimentos encantadoramente doces...

Miles to go... disse...

Gosto. Muito.
:)

^rp disse...

Gostei, tá muito giro, digamos que jeito não te falta!
Bjx!
Ps. Em relação ao 2012, pois... nem toda gente tem a mesma opinião, nao se trata de ser exigente ou nao! ;)

Florbela disse...

Humm... Gostava mais dos outros....

Cereja disse...

Embora prefira os teus texto, os poemas tb não estão nada maus.
Gostei particularmente da parte do violino. É um instrumento que associo sempre a uma certa nostalgia.
Beijinhos

Little Tomato disse...

Found you!!! eheheh

beijinho